primeira revista digital LGBTQI+

Evento contará com a participação da drag queen Potyguara Bardo no mês do Orgulho LGBT e celebrará a luta contra a homofobia

Por Winny Castell

Nesta terça-feira (25), às 19 horas, ocorrerá a cerimônia de lançamento da primeira edição da revista “Poticuir” no auditório 1 do Departamento de Comunicação Social (DECOM) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). O periódico, que terá novas publicações trimestrais, abordará temáticas relacionadas às questões de gênero e sexualidade, sendo o primeiro projeto de extensão a veicular o conteúdo de forma direta através das produções dos alunos de Jornalismo, Audiovisual e Publicidade e Propaganda da UFRN.

Nas páginas da Poticuir será possível encontrar uma linguagem jornalística que mescla vários assuntos ligados a identidade de gênero, sexualidade e, ainda, temas político-sociais que terão como base as experiências dos estudantes que produzem o material.

O nome “Poticuir” faz referência à duas palavras: Potiguar, que denomina o local de origem da revista, afinal, chamamos o território do Rio Grande do Norte de “terras potiguares, em alusão aos povos indígenas que viviam aqui antes dos navegantes estrangeiros colonizarem corpos e imaginários; e à palavra de origem inglesa “queer” que significa “estranho” e que foi usada durante muito tempo como termo pejorativo para discriminar aqueles que estavam fora do padrão heteronormativo, ou seja, para gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e transgêneros.

Atualmente, o termo queer tem sido utilizado na comunidade LGBT em um sentido positivo, passando a designar indivíduos que decidiram se reafirmar e romper com o comportamento e aparência heteronormativa. Mais do que apenas isto, queer passou a ser um novo estilo de vida em que é possível discutir identidades não binárias, mostrando que nem sempre há relação entre sexo biológico e gênero. Vale lembrar que, em países da América Latina, estudiosos vêm desconstruindo o vocábulo queer na perspectiva de reconstruí-lo a partir dos olhares do Sul, por isso Cuir ou Kuir.

Antonino Condorelli, professor do Departamento de comunicação da UFRN e coordenador do projeto Lide, do qual a ‘Poticuir’ é uma ação, afirma que a Poticuir chega em um “momento muito oportuno”, no mês de junho, quando a revolta de Stonewall, ocorrida em um bar gay de Nova York, considerada marco do movimento LGBT, completa 50 anos. Tal acontecimento impulsionou o ativismo pelos direitos de lésbicas, gays, bissexuais e transexuais que ganhou o debate público e as ruas.

Condorelli frisa que “se o Brasil é um país violentos com os LGBT’s, o Rio Grande do Norte fica acima da margem em relação a casos de homofobia, fazendo com que seja difícil viver fora das condições heteronormativas. ” Por isso a revista é importante para levar ao público um pouco da realidade de um grupo que é extremamente invisibilizado pela sociedade, assim como para regionalizar a discussão no estado brasileiro.

O evento de lançamento da Poticuir disporá de mesa-redonda sobre o tema “Ser LGBTQI+ em terras potiguares”, na qual haverá a presença da drag queen e cantora Potyguara Bardo, também capa da primeira edição da revista; da atriz da websérie “Septo”, Alice Carvalho; Janaína Lima, coordenadora de Diversidade Sexual e de Gênero da Secretaria das Mulheres, da Juventude, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos do Governo do Estado (SEMJIDH) e do produtor cultural, DJ e performer de Natal, Raphael Dumaresq.

Potyguara Bardo, convidada especial do evento